A circulação e o uso de agrotóxicos e os mecanismos de controle na fronteira oeste do Paraná

O objetivo é investigar a circulação e o uso de agrotóxicos e os mecanismos de controle na fronteira Brasil-Argentina-Paraguai. Particularmente interessam, por um lado, a legislação que regula o comércio e o uso de agrotóxicos em geral no Brasil, e as ações dos dispositivos de segurança na repressão e no controle do contrabando e na punição dos infratores. Por outro lado, interessam as formas como a mídia representa este fenômeno, bem como as estratégias de diferentes agentes envolvidos com a problemática, desde as indústrias e os comércios de agrotóxicos, os órgãos fiscalizadores, as redes de contrabando, os produtores que utilizam os agrotóxicos e os consumidores potencialmente afetados pelo consumo de produtos contaminados.

 

 

Práticas sociais, representações e ilegalismos nas fronteiras brasileiras

As diferentes assimetrias econômicas e políticas existentes nas fronteiras internacionais do Brasil são garantidoras de fluxos de pessoas, capitais e mercadorias. Os esforços individuais e coletivos em aproveitar ao máximo os limites do legal e do ilegal em uma conjuntura de fronteira promovem práticas sociais e ações estatais específicas. Neste contexto, o objetivo da pesquisa é analisar os processos de construção de tais práticas e de suas representações, investigando os esforços dos indivíduos e dos grupos sociais em ampliar suas possibilidades de existência. Em grande medida, a pesquisa visa compreender as diferentes redes de ações que aproveitam das brechas jurídicas da fronteira, descrevendo suas práticas e representações, explorando suas organizações e analisando os vínculos existentes entre o legal e o ilegal. Para tanto, são observados os processos de exploração da força de trabalho infantil, o tráfico de drogas, armas e pessoas, a evasão fiscal, a lavagem de dinheiro e todas as consequências nos processos de sociabilidade e segurança.

Trabalho, trabalhadores e fronteiras no Brasil contemporâneo

O projeto tem como objetivo analisar as práticas de trabalho, a inserção dos migrantes no mercado de trabalho e a circulação de trabalhadores e mercadorias nas regiões de fronteira do Brasil. Levando em consideração o impacto da divisão internacional do trabalho as crise econômicas globais e regionais, além dos diferentes processos sócio históricos relacionados as dinâmicas de mobilidade e laborais no mundo contemporâneo, com especial destaque para as especificidades das fronteiras e da transfronteirização.  

Digitalização, construção e disponibilização da Coleção do Jornal "Ilha Grande" (1980-2018)

O projeto visa a construir a coleção do Jornal "Ilha Grande", sediado no município de Guaíra/Paraná, e disponibilizar o material no intuito de universalizar o acesso ao acervo de um dos jornais mais antigos em circulação do Oeste do Estado do Paraná (1980-2018), período que abrange momentos históricos importantes como o alagamento promovido pela barragem da hidrelétrica de Itaipu, o desaparecimento das Sete Quedas, as transformações fundiárias regionais, além de todas as mudanças econômicas que marcam as relações comerciais do Brasil com o Paraguai, por exemplo.

 

Quitanda virtual

 

O trabalho de pesquisa com os produtores agroecológicos apontou para a existência de alguns desafios enfrentados pelos pequenos trabalhadores rurais - a falta de maquinário adequando para a pequena propriedade, a falta de mão de obra especializada para a produção de orgânicos e dificuldades na inserção dos produtos no mercado, por exemplo. No intuito de tentar de diminuir estas deficiências, o LAFRONT iniciou um processo de aproximação ao IFPR para elaborarmos um aplicativo que pudesse servir de espaço de comercialização e, ao mesmo tempo, troca de serviços, entre pequenos produtores agroecológicos. Trata-se de um projeto de desenvolvimento de tecnologia de cooperação institucional que encontra-se em andamento.